Alvenaria com embalagens dos desvios 281 e 282 da Atlas

Texto e fotos: José Balan Filho

Este tutorial demonstra como utilizar as embalagens dos desvios da Atlas, referências 281 e 282, para fabricar placas de resina que imitam paredes de alvenaria. O desenho da embalagem sugere paredes com vigas de concreto aparente, e o seu interior rebaixado imita reboco e massa corrida.

O desenvolvimento desta técnica envolve a utilização de estilete, de resina e de tintas. Por isso, use material de proteção. Ao utilizar a resina e a tinta, faça-o em ambiente ventilado.

Palavras chaves: paredes de alvenaria; moldagem com resina.

Nível de dificuldade: média.

Tempo de execução:

  • Preparação das embalagens: 5 minutos;
  • Preparação da resina e enchimento dos moldes: 20 minutos;
  • Desmoldagem: de preferência depois de 24 horas;
  • Pintura: 30 minutos (com tinta acrílica).

Domínio prévio de:

  • Uso de aerógrafo, mas só no caso de optar por pintura com aerógrafo e não com rolinho ou pincel.

Lista de materiais:

  • Embalagens dos desvios da Atlas, referência 281 ou 282;
  • Resina cristal (encontrada em lojas de laminação em fibra de vidro);
  • Solução de parafina (encontrada em lojas de laminação em fibra de vidro);
  • Catalisador poliéster (encontrado em lojas de laminação em fibra de vidro);
  • Talco industrial (encontrado em lojas de laminação em fibra de vidro);
  • Corante (pigmento pasta) (encontrado em lojas de laminação em fibra de vidro);
  • Tinta acrílica branca e marrom (adquirida em loja de artesanato; se for usar aerógrafo, tem que ser tinta acrílica para aerógrafo);
  • Acetona (encontrada em lojas de laminação em fibra de vidro em volumes maiores do que se vende em farmácia. Venda permitida somente a maiores de idade.);
  • Papel-toalha.

Lista de ferramentas:

  • Becker (graduado);
  • Vareta;
  • Pincel macio, pequeno ou aerógrafo (para quem tem o domínio da ferramenta);
  • Estilete.

Recorte a embalagem do desvio cuidando para manter sem dobras e sem cortes toda a parte plástica, conforme o modelo que aparece na parte de baixo da foto . O ideal seria retirar o desvio através de um rasgo no papel na parte traseira da embalagem e depois colocá-la dentro de uma vasilha com água, para que o papel se solte inteiramente sem causar nenhum dano à parte plástica.

Usando outra embalagem igual e um estilete de ponta fina recorte os 6 retângulos, fazendo isso com muito cuidado e capricho, pois essa parte será utilizada para fazer uma máscara quando da pintura da peça (do lado de cima da foto).

Preencha as embalagens com a resina, utilizando o corante que achar mais adequado. Sugiro o branco como corante pois será uma boa cor de base para a aplicação de qualquer outro acabamento por cima).

Coloque a quantidade de resina que achar adequada para o seu projeto.

Coloque o corante e misture bem (para 100 ml de resina, meia colher de café).

Coloque a Solução de parafina (40 gotas para cada 100 ml de resina), e misture bem. A função da parafina é evitar que a placa fique “grudenta” quando estiver seca.

Coloque o talco industrial (uma colher de sopa bem cheia para cada 100 ml de resina), misture bem.

Depois dessa etapa, e antes de colocar a resina, deixe a mistura descansar durante 10 minutos para que as bolhas formadas durante a mistura dos componentes se dissolvam.

Coloque o catalisador (40 gotas por 100 ml de resina) e misture com suavidade, para não formar novas bolhas.

Faça o enchimento dos moldes e espere 24 horas para desmoldar.

Com acetona e papel-toalha limpe o Becker para posterior reutilização.

A quantidade de material descrita neste tutorial enche dois moldes.

Atenção: dependendo da temperatura ambiente e da umidade do ar, o catalisador reage de forma diferente. Quanto mais quente e mais seco, mais rápido se completa o processo químico. Portanto, deixe todo o material preparado. A superfície onde ficarão os moldes deverá ser absolutamente plana.

Desembale depois de 24 horas tomando cuidado para não quebrar a embalagem. Na foto abaixo, o aspecto da peça de resina já pronta.

Faça a pintura da estrutura das placas, na cor desejada. No meu caso, utilizando o aerógrafo, pintei de marrom Van Dick.

Para fazer a parte rebaixada da alvenaria sobreponha a moldura sobre a placa já pintada e seca, e faça o acabamento do meio na cor branca (ou da cor que preferir).

Aplique as placas nos locais destinados a elas no projeto. No meu caso usei as placas para revestir a plataforma de descarregamento de minérios.

Para simular o envelhecimento apliquei uma leve vaporização com tinta preta utilizando o aerógrafo.

Com pintura, envelhecimento e adequação ao local onde vão ser colocadas, as placas cumprem perfeitamente o seu papel.

”Terrorista do ferreomodelismo”. É assim que o Balan, um empresário que mora em Curitiba (PR), se denomina.

Sua primeira maquete encontra-se exposta no saguão da Serra Verde Express, na Estação Rodoferroviária de Curitiba. Fotos de sua segunda maquete, a Siderúrgica Valene, ambientada nos anos 40, podem ser vistas na galeria de fotos do site norte-americano Peach Creek, dedicado a modelistas interessados em maquetes de siderúrgicas.

O Balan está sempre pronto a ajudar modelistas do Brasil e do exterior, orientando nos projetos e execução de maquetes. Em suas maquetes, quando necessário, às vezes deixa de lado a fidelidade ao protótipo em favor do ”deleite visual”.

Esta entrada foi publicada em Maquetes e dioramas. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.